Histórias de Sucesso

Roivant Sciences: Reinventando o modo de ser de uma grande empresa farmacêutica do futuro

A Roivant Sciences foi fundada em Nova York por um jovem inventor e empreendedor, Vivek Ramaswamy. Em 2016, a empresa inaugurou sua sede global na Basileia, Suíça. Sascha Bucher, Diretor da Basel Roivant Pharma e Chefe de Transações Globais, conversou com a Switzerland Global Enterprise sobre o modelo de negócios inovador de sua empresa e sobre o porquê de a Basileia ser o lugar perfeito para estar sediado.

 

diagrama
A família de empresas Roivant

O que a Roivant encontrou na Basileia que não havia em Nova York? Quais foram os principais fatores na decisão da empresa em escolher a Suíça como um novo local?

Nós escolhemos a Basileia pelo profundo e diverso conjunto de talentos da cidade e sua localização central no coração da Europa. A Basileia é o lar de duas das maiores empresas farmacêuticas do mundo, Novartis e Roche, mas também é sede regional de várias outras empresas farmacêuticas e é um importante centro para diversas empresas menores de biotecnologia e dispositivos médicos.

Manter as operações na Basileia facilita a contratação de especialistas em toda a cadeia de valores da área biofarmacêutica, de pesquisas acadêmicas e industriais até químicas, manufatura e controles (CMC, chemistry, manufacturing and controls), além de formulação a operações comerciais e de desenvolvimento clínico.

Há muito tempo a cidade vem sendo um centro para as ciências da vida e manufatura complexa. Sua história remete à chegada dos refugiados Huguenot no século XVI. Eles estabeleceram a indústria de fitas de seda da Basileia e lançaram os alicerces para as indústrias químicas e farmacêuticas orientadas para a exportação da cidade.

Também gostaria de ressaltar que as autoridades regionais do cantão de Basileia-Stadt e a equipe na BaselArea.swiss (promoção do investimento e da inovação da região da Basileia) facilitam bastante para as empresas estabelecerem operações na cidade e se conectarem às redes existentes de parcerias e recrutamento.

A filosofia da Roivant é inovadora em termos de aquisição de talentos e financiamento: com a Axovant, você teve a maior oferta pública inicial de biotecnologia na história dos EUA; com a Myovant, você teve a maior oferta pública inicial de biotecnologia em 2016; e os US$ 1 bilhão investidos na Roivant pelo Softbank foi o maior financiamento de capital de risco na Europa em 2017. Qual é a chave para o seu sucesso?

Contratamos os principais desenvolvedores de medicamentos da área de biofarmacêutica, mas também estamos atentos a outras áreas fora do setor para ter novas perspectivas. Recrutamos os principais talentos das áreas de tecnologia, finanças, meio acadêmico e de outros setores. Enxergamos a combinação catalítica de experiência no setor com ideias de fora da biofarmacêutica como um elemento-chave da nossa cultura.

Temos um modelo descentralizado único cujo propósito é um melhor alinhamento dos incentivos de indivíduos que trabalham em programas de desenvolvimento e esse modelo permite maior flexibilidade no modo como financiamos P&D. Isso reduz o custo total do capital. Também estamos abertos a novas oportunidades. Por exemplo, estabelecemos uma empresa na China chamada Sinovant, cujo foco está no estabelecimento de parcerias com empresas biofarmacêuticas ocidentais para desenvolver medicamentos inovadores na China. Em pouco mais de um ano de operações, ela já construiu um dos principais canais para terapias paliativas na China.

As grandes empresas farmacêuticas estão mudando: os antigos modelos comerciais deixaram de funcionar e novos atores estão entrando em cena. Onde você vê a Roivant nesse ambiente mutável?

Nós nos vemos reinventando o modo de ser de uma grande empresa farmacêutica do futuro. Em vez de uma organização única e centralizada, estamos construindo o “Alfabeto da Assistência Médica”, uma família descentralizada de empresas que trabalha para melhorar o processo de desenvolver e fornecer medicamentos aos pacientes. Cada uma dessas empresas no nosso ecossistema se beneficia de fazer parte dessa família mais ampla respaldada pela Roivant.

Outras empresas adotaram modelos similares, como a Bridge-Bio, cujo foco é desenvolver terapias para doenças raras, e vemos isso como uma tendência positiva. Algumas grandes empresas farmacêuticas tentaram descentralizar elementos de suas operações, mas acreditamos que será mais difícil modernizar as empresas existentes em vez de começar do zero.

Qual será o seu próximo foco? Quais áreas terapêuticas têm o potencial para se tornarem os próximos membros da sua família Vant?

O modelo de negócios da Roivant envolve a construção de empresas ágeis e empreendedoras nas áreas de biotecnologia e assistência médica com uma abordagem única na busca por talentos, alinhamento de incentivos e implementação de tecnologia para promover maior eficiência em P&D e comercialização.

Estamos abertos a todas as modalidades e áreas terapêuticas: se houver valor para os pacientes, teremos interesse.

Nosso canal atualmente inclui pequenas pílulas moleculares que estão sendo desenvolvidas para o tratamento de condições urológicas, cardiometabólicas, pulmonares e de saúde feminina; pomadas tópicas para doenças de pele inflamatórias; anticorpos monoclonais subcutâneos para doenças autoimunes; terapias genéticas para doenças neurológicas e hematológicas; substituição de enzimas e terapias regenerativas para doenças raríssimas; combinações de dispositivos e medicamentos para condições respiratórias e possíveis terapias baseadas em RNA.

Essa é apenas uma seleção dos elementos nos quais estamos trabalhando hoje. Nós enxergamos oportunidades potenciais de curto prazo em antiinfecctivos e oncologia, e não há limite inerente ao número de possíveis Vants que pretendemos construir, então, espero que no momento certo o nosso canal finalmente incluirá terapias na maioria das áreas terapêuticas, se não em todas.

Novas tecnologias também estão entrando no mundo da assistência médica. A inteligência artificial e a blockchain atualmente estão nas mentes de todos. Qual é a sua participação nisso?

Esses são os principais chavões quando se trata de assistência médica hoje. O que é muito mais importante é coletar e reunir conjuntos de dados de assistência médica entre e dentro das instituições. Nós acreditamos que isso seja o fator limitante da velocidade para apresentar ideias que melhorem a saúde, e essa é a tese da Datavant. A Datavant trabalha com proprietários e usuários de dados em todo o setor de assistência médica para assegurar que os dados de saúde possam ser vinculados com segurança e de forma apropriada para potencializar as análises e aplicações, enquanto protege a privacidade individual do paciente.

Em nossa opinião, a Suíça, com sua impressionante base de talentos e abertura a novas ideias, está bem posicionada para se adaptar a essas novas tecnologias.

Qual será o seu conselho para promover o crescimento das empresas de biotecnologia que estão se expandindo na Europa?

Nossa experiência tem sido muito positiva e recomendamos enfaticamente que a Basileia seja considerada.

É um lugar ideal para uma empresa de biotecnologia em crescimento, e a Suíça é um local receptivo para a realização de negócios.

Em termos de desafios, pode soar trivial, mas é muito importante ter um plano rigoroso em andamento para assegurar a comunicação entre os escritórios em diferentes fusos horários, incluindo investimentos em tecnologia de videoconferência.

Setor de biotecnologia suíço

A Suíça é um dos melhores e mais inovadores locais para biotecnologia na Europa. As empresas locais mantêm posições de liderança em vários setores e, assim, atraem capital e pesquisadores de todo o mundo.
Baixe o nosso informativo.

Informativo

Links

Compartilhar
Como devemos entrar em contato?